Cana crua: impurezas exigem evolução tecnológica

Por Alexandre Godoy e Fernando Henrique Carvalho Giometti

Plantio e colheita mecanizados, período de moagem cada vez mais extenso, novas fronteiras agrícolas e redução da queima são algumas das transformações que o setor sucroenergético vem passando nos últimos 10 anos. Cabe às organizações estarem atentas às mudanças e agirem com dinamismo em estratégias competitivas condizentes com a nova realidade do mercado.

Várias unidades industriais já colhem a cana de forma totalmente mecanizada e crua. Isto trouxe um impacto muito grande às operações industriais, desde o preparo e extração até a qualidade do produto final.

Vantagens da cana crua

- processamento da cana com menor tempo de entrega;
- menor contaminação microbiana e a consequente redução na concentração de compostos indesejáveis provenientes de atividade microbiana como dextrana, ácidos orgânicos e álcool;
- inversão da sacarose em glicose e frutose menor, possibilitando maior aproveitamento do açúcar no campo devido à melhoria da qualidade da cana.

Desafios

Por outro lado, em função do aumento significativo das impurezas vegetais, aumentaram também os “não-açúcares”, a saber: amido e outros polissacarídeos e oligossacarídeos, compostos fenólicos, ácidos orgânicos e açúcares redutores. Estes compostos trazem sérias dificuldades ao processo, na determinação do ART da cana, bem como na qualidade do produto final, principalmente para açúcar branco.

Esta entrada foi publicada em Tecnologia. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>