O que é o óleo fusel e impacto na usina

O que é o óleo fusel? Uma das possíveis definições diz ser uma mistura composta por álcoois superiores, como o Isoamílico, o Amílico, o n-Propílico, o Isobutílico, entre outros de concentrações insignificantes. O etanol não faz parte da composição.

Tabela 1. Principais constituintes do Óleo fusel

Tabela 1. Principais constituintes do Óleo fusel

Fonte da tabela: Perez et. Al 2001

O primeiro relato sobre óleo fúsel foi em 1785 (Scheele), porém a sua identificação e descrição foi em 1800, na Alemanha, sendo chamado de fousel (“bad spirit”). Somente a partir de 1830 o óleo fúsel foi isolado e caracterizado por alguns pesquisadores. O óleo Fúsel possui duas vias de formação: aminoácido ou glicose, conhecidas por Via de Ehrlich e Biossintética, respectivamente.

Figura 1. Via de Ehrlich e Biossintética

Figura 1. Via de Ehrlich e Biossintética

Atualmente, o óleo Fúsel é classificado em Baixo (Amílico e Isoamílico) e Alto (n-Propanol, Isobutanol e n-Butanol). Na prática, durante a extração na coluna de retificação, não existe esta separação. A produção percentual de óleo fúsel em relação ao etanol produzido, em condições nacionais, varia de 0,1 a 0,3%.

Tabela 2. Produção média de alguns clientes Fermentec

Tabela 2. Produção média de alguns clientes Fermentec

Segundo Patil et. Al 2002, níveis de 0,4% retardam a fermentação e 0,7 a 0,8% inibem a fermentação.

Existem cinco fatores diretamente relacionados à produção de óleo fúsel: linhagem da levedura, tipo da fonte nitrogenada (sais de amônia e aminoácidos), característica da fermentação (tempo de fermentação, tempo de espera para centrifugação, temperatura da fermentação e pH), tipo de mosto (melaço, caldo cru, caldo clarificado) e arejamento.

O óleo fúsel possui diversas utilizações industriais, dentre elas: reagentes em sínteses orgânicas, indústria de plástico e perfumaria (ésteres), carburante junto ao etanol e diesel. Apesar destas utilidades, o setor sucroenergético busca minimizar sua produção, pois nem sempre possui preço favorável. Agrega-se a este fator a redução da eficiência do processo fermentativo, seja em função do possível estresse as células de levedura e/ou pelo desvio de açúcar para formação destes subprodutos.

Nesta concepção, é possível minimizar a produção do óleo fúsel adotando as seguintes medidas:

- Escolher a levedura mais adequada, seja selecionada ou personalizada;
- Verificar a fonte nitrogenada utilizada no processo, quando necessário;
- Adequar os parâmetros da fermentação;
- Evitar aeração de cubas e dornas.

Autor: Osmar Parazzi Jr.

Fonte: Portal FT abril/2016

Esta entrada foi publicada em Portal FT e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>