A importância do monitoramento ambiental microbiológico nas usinas*

Sabemos que existem diversos microrganismos que são transportados pelo ar, esses microrganismos podem provocar contaminações das mais diversas nos produtos e subprodutos produzidos pela indústria sucroalcooleira – podendo alterar a validade, aparência e o sabor do produto como o açúcar por exemplo – mas também disseminar doenças entre as pessoas que trabalham em determinado local, já que o ar pode conter bolores, leveduras, bactérias e vírus.

Para um monitoramento eficaz, é necessário utilizar técnicas que permitam:

• Uma vazão de ar constante da amostra;
• Volumes variáveis de amostra;
• Volume de amostra de 1m³ – 1.000L;
• A técnica ou metodologia escolhida não pode gerar turbulências e risco de contaminação das amostras;
• Alta taxa de retenção;
• Alta taxa de recuperação dos microrganismos.

Existem diferentes metodologias para se realizar a análise microbiológica do ar. Uma das metodologias envolve o uso de placas de Petri que são abertas e distribuídas por área, são expostas ao ar e depois essa placa é incubada. Essa técnica considerada como Metodologia Passiva possui um custo baixo, mas não detecta gotículas e outras partículas menores. Além disso, é necessário a preparação prévia do meio de cultura e da placa de Petri para o início do trabalho.

Outra metodologia, considerada como Metodologia Ativa de realizar esse procedimento é utilizando um amostrador de ar; os amostradores de ar trabalham com duas técnicas de amostragem:

• Impactação – técnica de Andersen: nessa técnica, um volume de ar é sugado através de uma placa perfurada e direcionado contra placa com meio de cultura, ficando assim retido. Uma das desvantagens dessa técnica é que devido ao estresse mecânico alguns podem ser danificados durante o processo de amostragem, o que pode tornar a amostragem não tão eficaz. Por isso a importância de se trabalhar com placas prontas e gama irradiadas, como a linha Bactair da Sartorius.

• Filtração: nessa técnica usam-se filtros de membrana de gelatina nos quais toda a amostra de ar é filtrada, permitindo uma alta retenção de microrganismos. Essa membrana de gelatina permite trabalhos em temperaturas mais elevadas – até 30º e umidade até 85%. O uso das membranas de gelatina possui uma vantagem especial já o filtro de membrana de gelatina pode ser incubado logo após a realização do procedimento de amostragem, sem necessidade de preparação do meio de cultura.

Membranas já instaladas na placa, em embalagem estéril – sem necessidade de preparação de meio

Por se tratarem de equipamentos portáteis, eles podem ser instalados em diversos pontos do mesmo ambiente ou em ambientes diferentes – para um controle da contaminação ou para descoberta do foco de contaminação em diferentes áreas e partes do processo. O uso deste equipamento já é validado em indústrias e ambientes extremamente regulados, como por exemplo no segmento farmacêutico.

Equipamento portátil MD8 Airport da Sartorius

Contato: Sartorius do Brasil
Tel.: 11 4362 8900 | E-mail: leadsbr@sartorius.com
www.sartorius.com

*Conteúdo patrocinado pela empresa Sartorius

Esta entrada foi publicada em Webmeeting Fermentec e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>